Espero que a ameixoeira nunca morra…

-Estas ameixas são muito boas! São das nossas? Pergunta a Avó ao almoço.

-Não, estas são da quinta do meu tio.

-São mesmo uma delícia, estas ameixas! São das nossas, não são? Perguntou a Avó ao jantar.

-Não, estas são da quinta do meu tio – respondi com toda a paciência.

ameixas

A Avó gosta mesmo de ameixas, mas esquece-se facilmente que são uma delícia e de onde vieram!

É difícil constatar que a Avó já não é a mesma! Outrora foi uma mulher cheia de energia, foi que esposa, Mãe dos seus filhos e dos filhos de outras Mães, dona de casa e profissional dedicada.

E perante uma situação difícil, muitas vezes a primeira reação é a negação.

“Como é possível? Não! Não pode ser! Isto é só uma forma de chamar a atenção! Com a idade as pessoas ficam mais mimalhas e carentes.”

Há uma revolta interior, mas que se exterioriza, tendo como alvo aquela pessoa que ainda achamos estar a fingir “surtos” de esquecimento, para chamar a atenção de todos que a rodeiam.

Infelizmente há cada vez mais histórias iguais a esta que hoje partilho convosco. Dizem os especialistas que se deve ao aumento da esperança de vida. Os seres humanos vivem mais tempo e esta doença, tal como outras, serão o reverso da medalha!!

Seja como for, quando bate à nossa porta, vemos as coisas de outra perspetiva. Percebemos que é muito complicado lidar com uma situação destas.

Temos uma vida tão agitada, andamos sempre em stress, sem tempo para nada, nem para nós próprias e deparamo-nos com uma realidade em que não há tempo, pressa, em que as mesmas perguntas se repetem várias vezes ao dia e no dia seguinte e no outro…em que as coisas mais simples se tornam tão complicadas!

E quantas vezes a paciência se esgota e sai uma resposta mais brusca. Quantas vezes pensamos que não temos tempo para “aturar” aqueles devaneios mas depois vem o arrependimento e pensamos “Deus queira que seja por muitos anos”.

Outras vezes são os mais pequeninos que, com uma simples pergunta, nos trazem para a realidade: – “Mãe, quando fores velhinha, vais ouvir mal como a Avó M ou vais ser esquecida como a Avó B?

E é nestas alturas que caímos na realidade e percebemos que, nesta fase das suas vidas, esses Avós, precisam mais do nosso carinho, atenção, dedicação, do nosso Amor e do nosso TEMPO.

Concluo com uma curiosidade: no Japão a Flor da Ameixoeira representa a beleza, a pureza e a transitoriedade da vida. Segundo o confucionismo, cada uma das suas cinco pétalas representa as “Cinco Bênçãos Chinesas” que todos desejam ter nas suas vidas: Vida longa, Fortuna, Amor virtuoso, Saúde e Morte natural.

Espero que a Ameixoeira que dá aquelas ameixas deliciosas nunca morra…

5 comments

  1. As avós, as mães, (alguns desses seres com dons especiais) nunca morrem, porque moram nos corações das pesssoas! Lá não há tempo, só memórias boas. E quando morrem, dão flor de novo, talvez depois com outras formas e sabores. Obrigada Aurora❤️

    Liked by 3 people

  2. Muito bonito, simples, verdadeiro e emotivo….
    Fizeste-me recordar, uma vez mais, o que todos os dias eu penso: a minha mãe mora a cerca de 2 km de minha casa e, por vezes, passa-se uma semana e eu não estou fisicamente com ela apesar de falarmos várias vezes ao dia….. Agora que ela mais precisa de mim é quando a vida não permite acompanhá-la da forma que eu gostaria e que ela merece porque merece tudo: deu-me a vida e eu não seria nada sem ela!

    Liked by 2 people

  3. Que feliz, os avós, os pais e os netos que lhe trazem, por vezes, muitas e bonitas recordações…
    E uma certeza tenho, essa ameixoeira carrega muito amor na fruta que “apetece” degustar e, presumo, só vislumbrar, tentando, ainda que, com dificuldade, pensar e recordar quem a (re)conhece de há muitos anos.
    A esperança de vida, se for com um “pouco” de qualidade e de amor é das maiores dádivas que os nossos pais, e por inerências, os NETOS deles, lhes puderam proporcionar.
    Este breve trecho, de forma fulminante, porque muito me toca, permite-me dizer que, se assim não fosse, estaria a proferir, pensar, escrever noutro texto sentido a palavra que mais me custa, sem ter possibilitado às pessoas que mais amo o melhor que consegui…e que é SAUDADE.
    O segredo, e que ainda desconheço, é que, como família, e na medida das “capacidades”, “felicidades” e “recordações” de cada um, quem quisemos receber neste mundo e que nos criaram, nunca se esqueçam…
    Bjs.

    Liked by 1 person

  4. Aurora, obrigada por nos recordares que na grande maioria das vezes os problemas que vivemos diariamente com as nossas famílias, não são problemas, obrigada pela oportunidade que nos deste, através da tua partilha, de cairmos na real e aproveitarmos a lucidez, a saúde, a vida.
    Que comam ameixas, juntos, felizes e por muitos anos.

    Liked by 2 people

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s