Uma ilha de abraços

Já tinha ouvido falar da famosa “manta de retalhos” mas só este ano é que tive o privilégio de a contemplar “in loco”! Foi nas férias da Páscoa com a minha e com a família da Jasmin, referindo-me, obviamente, à Ilha Terceira.

A Terceira é uma ilha amorosa e colorida, onde nos esperava uma família que não podia ser melhor, uma junção de gente Terceirense e gente do Norte do Continente.

Já antecipávamos uma excelente estadia, e ao chegar confirmamos isso. Um alojamento local  que era um “lar” e uns anfitriões que se tornaram uns amigos… e abraços, muitos abraços, que nos fizeram sentir queridos logo desde o momento em que aterramos.

Fomos brindados com um tempo excelente que permitiu dar um mergulho no mar e tornou as férias ainda melhores.

A capital da Terceira, Angra do Heroísmo, foi a primeira cidade Europeia do Atlântico (1534) e é um encanto, com edifícios lindíssimos impecavelmente pintados. O centro de Angra do Heroísmo é classificado pela Unesco como Património da Humanidade desde 1983, juntamente com o Monte Brasil, um extinto vulcão que nasceu no mar e se juntou à cidade de Angra. Hoje em dia o Monte Brasil é uma Reserva Florestal de Recreio, onde nos cruzamos a cada curva com veados que aí vivem em liberdade. É uma ampla zona verde com vistas lindíssimas para a vastidão do oceano e para a cidade de Angra, com parque infantil, zona de merendas, miradouros e percursos pedestres sinalizados, é o local ideal para um passeio com as crianças.

 

O centro histórico tem muitos edifícios para visitar e muitas igrejas, como a Igreja da Misericórdia, linda em azul e branco, virada para o mar, em frente ao Pátio da Alfândega e à nova marina. As ruas são estreitas e cheias de encanto, ideal para andar a pé, quase sempre com vista para o mar. O coração da cidade é a Praça Velha, onde está a Câmara Municipal. Daí pode iniciar-se um belo passeio a pé e visitar alguns monumentos, como por exemplo, a Sé Catedral que é a maior igreja dos Açores, tem três naves e uma bonita fachada com duas torres, onde foi construída sobre uma igreja gótica do final do século XVI ao início do século XVII.

Outro monumento a visitar é o Palácio dos Capitães Generais. Este imponente palácio, com uma fonte e um esplêndido dragão no seu pátio, atesta o poderio económico da cidade ao longo dos séculos.  Foi transformado numa espécie de museu com valiosas coleções de móveis, pinturas, esculturas, bem como carruagens e táxis, entre outros objetos.

Tendo tempo, não deixe de visitar o Museu instalado no antigo Convento de S. Francisco juntamente com a sua igreja – Igreja de São Francisco, também conhecida como Igreja de Nossa Senhora da Guia.

Para apreciar uma belíssima vista da cidade, vale a pena subir um pouco e visitar o  Jardim Duque da Terceira.

Na ilha o tempo passa devagar e os dias são longos. Por ser pequena, conseguimos percorre-la em pouco tempo. Cinco dias permitiram-nos ver todas as atrações sem pressa, sempre numa paisagem rural, verde e tranquila..

Fazer a ilha de carro pelas estradas junto à costa é uma bela forma de conhecer a Terceira, sempre com vista de mar, passando por pequenos aglomerados de casas baixinhas impecavelmente pintadas, e sendo surpreendido a cada esquina pelos coloridos Impérios do Espírito Santo!! Há estradas ladeadas por árvores como se se tratasse de um caminho florestal, mas com vista para o mar, há miradouros e pequenos lagos, flores e animais… e vacas, claro, muitas vacas.

 

Se o tempo o permitir, vale a pena subir ao Monte Santa Bárbara (o ponto mais alto da ilha) e apreciar a vista.

O melhor Spot para uma foto da chamada “manta de retalhos” é no cimo da Serra do Cume, muito bonito e permite belas fotografias.

 

Na freguesia de Biscoitos, há o Museu do Vinho e produção de vinho Verdelho, com as vinhas instaladas entre currais de pedra. À beira mar, o cenário é dramático, com rochas vulcânicas inevitavelmente escuras que formam várias piscinas naturais. Este local é uma conhecida e apreciada zona de lazer.

 

Há muito mar mas pouca areia, à exceção da Prainha, uma pequena baía no centro da cidade. A única praia de areia da ilha é a praia da Vitória com um areal mais extenso e que é a zona balnear de excelência, mas desenganem-se há muitos sítios onde se pode dar belos mergulhos, mesmo perto da cidade, como é o exemplo da praia da Silveira.

Duas visitas obrigatórias e que podem ser conjugadas são a Gruta do Natal e o Algar do Carvão . Comprar o bilhete conjunto para as duas visitas fica mais barato. É preferível visitar primeiro a Gruta do Natal e depois o Algar do Carvão, por este ser mais impactante.

 

A caminho entre os dois, ao descer, pode-se avistar nuvens de vapor que imanam do chão, são as fumarolas de enxofre das Furnas do Enxofre, um testemunho vivo da origem vulcânica da ilha Terceira (que também pode ser visitado).

A Gruta do Natal localiza-se junto aos Picos Gordos, ainda dentro da Reserva Florestal Natural da Serra de Santa Bárbara e Mistérios Negros, em frente a uma pequena mas bonita lagoa – Lagoa do Negro. Trata-se de um tubo de lava com um total de 697m de comprimento total, na sua quase totalidade de trânsito fácil, em chão com pouco desnível e tectos altos. Visitá-la foi realmente um experiência diferente de tudo o que tínhamos feito até agora, os miúdos adoraram, mas não é aconselhável a quem sofre de claustrofobia pois passeamos por túneis, alguns bem baixinhos, onde é preciso passar de cócoras.

O Algar do Carvão, é o único cone vulcânico visitável em todo o Mundo, uma experiência diferente que vale bem a pena. Aí descemos até cerca de 100 metros de profundidade e observamos estalactites únicas no mundo pelas suas características de silicatos, e uma lagoa subterrânea, de águas cristalinas. Está classificado como Monumento Natural Regional.

Depois destas emocionantes visitas pode aproveitar para relaxar na Lagoa da Falca, com inúmeros patos e nenúfares, também conhecida como lagoa das Patas, está localizado dentro de uma reserva florestal de recreio – há um caminho de terra que circunda esta área de reserva, pode ser feito de carro e é uma paisagem lindíssima.

Há mais um túnel de lava que pode ser visitado mediante marcação que é a Furna d’água e que foi proveniente de uma erupção que teve lugar há 2000 anos.

Para quem estiver apto para caminhadas há inúmeros trilhos com percursos sinalizados e com diferentes níveis de dificuldade. Não experimentamos mas a julgar pela paisagem da ilha, é certamente uma atividade que vale a pena.

É impossível falar na Terceira sem fazer um enorme elogio à sua gastronomia! Não consigo fazer uma lista exaustiva, mas posso sugerir alguns locais onde estivemos e de que gostamos imenso.

Para almoçar ou petiscar durante o dia há no centro de Angra algumas opções muito boas:

A Tasca das Tias – nas paredes há grande fotos de figuras de Angra, e no prato petiscos deliciosos.

Captain´s Table – uma fusão perfeita entre comida grega, turca e italiana… só o cheirinho dos pratos já antecipa a referição maravilhosa.

A minha Casa – Tostas enormes e um chocolate quente divinal, tudo numa casa super gira!

Casa de Chá no Jardim Duque da Terceira, um restaurante biológico, com esplanada que permite refeições ligeiras ao ar livre, no coração de um jardim público… uma escolha vencedora!

De carro mas muito perto e bom para qualquer altura do dia, Quinta dos Açores – carne dos Açores de produção própria, hambúrgueres, saladas, gelados maravilhosos feitos por eles com uma enorme variedade de sabores. Bom para almoços e lanches com uma enorme sala envidraçada com uma vista bonita. Têm uma loja com produtos Açorianos e vinhos portugueses.

Ao final da tarde, sabe bem beber um vinho de produção açoreana da vizinha ilha do Pico, sentados na esplanada do Queijo Vaquinha, uma queijaria artesanal situada perto da praia de rochas vulcânicas das 5 ribeiras. Aí sentados, sem pressa, a paisagem é de palmeiras onde avistamos a ilha de São Jorge e, no seu tardoz, o alto de uma montanha do Pico. Podemos provar vários queijos e há embalagens preparadas para quem quiser trazer uma recordação …

IMG_6697

Para jantar, devagar, e saborear cada pedaço…

Restaurante o Cachalote – o melhor naco na Pedra de sempre !!! Imperdível… faça um passeio noturno pelas ruas de Angra até chegar aqui, não se vai arrepender.

Ti Choa fica na freguesia da Serreta e é um restaurante típico com comida tradicional onde se pode provar um menu de degustação variado e provar o doce de vinagre.

O Caneta é um restaurante muito conhecido na ilha, fica na recôndita freguesia dos Altares, e tanto a  Alcatra de Carne como o peixe são escolha acertadas .

A Adega de S. Mateus é um lugar simples, na freguesia da São Mateus da Calheta onde encontra peixe maravilhoso. É o lugar ideal para comer lapas e cavacos.

Como é bom ter algo pelo que ansiar na próxima visita, ficou por fazer o passeio de barco para avistamento de cetáceos. São passeios que ocupam a manhã inteira e embora façam as delícias de graúdos e miúdos, o vento e as condições do mar nem sempre permitem a saída do barco.

Aqui bem perto, é maravilhoso e é nosso!!!

Até breve

Texto e fotos Ariel

2 comments

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s